A Cefaleia Tensional  (CT) é o tipo de dor de cabeça primária mais prevalente na população em geral, no entanto a maioria dos pacientes com CT  apresenta episódios pouco frequentes, com dores de cabeça menos de um dia por mês.

A apresentação típica de um ataque de CT  é uma dor de cabeça bilateral, de intensidade leve a moderada, tipo aperto, sem pulsações e sem outras características associadas (como náuseas e vômitos). A CT  é uma dor de cabeça bastante característica que geralmente não leva o indivíduo a procurar o pronto-socorro e pode passar espontaneamente.

A sua fisiopatologia ainda não foi totalmente esclarecida, mas estudos demonstraram que há uma sensibilidade aumentada das vias de dor no sistema nervoso central e, talvez, no sistema nervoso periférico. O óxido nítrico pode ser um gatilho molecular para a dor.  Os fatores genéticos parecem desempenhar um papel menor na CT episódica, mas podem ser mais importantes na CT crônica

Existem três subtipos principais de CT, cada um deles é adicionalmente classificado como ocorrendo com ou sem sensibilidade da musculatura pericraniana (de acordo com a 3a Classificação da International Headache Society):

  • CT episódica pouco frequente, com dores de cabeça por < 1 dia por mês
  • CT episódica frequente, com dores  de 1 a 14 dias por mês.
  • CT crônica, com dores de cabeça ≥ 15 dias por mês por mais de 3 mêses

A sensibilidade da musculatura pericraniana está associada à maior intensidade e à maior frequência dos ataques de CT.

O diagnóstico de CT é clínico e feito quando a descrição dos sintomas pelo paciente é consistente com as características típicas, os critérios de diagnóstico são cumpridos e os exames gerais e neurológicos são normais, com exceção da presença ou ausência sensibilidade muscular pericraniana.  A atenção ao padrão temporal das dores de cabeça é necessária para distinguir o CT das dores de cabeça secundárias.

A neuroimagem não é necessária na maioria dos pacientes com dores de cabeça primárias, incluindo aqueles com CT que apresentam um padrão estável de dor de cabeça por mais de seis meses e  exame neurológico normal.

O manuseio da CT se divide em tratamento da crise de dor onde os analgésicos e anti-inflamatórios não esteroides tem sua eficácia confirmada.

O tratamento preventivo é indicado quando as crises de dor são mais frequentes ou se a CT    se tornou crônica. As evidências sobre drogas preventivas para a CT  são limitadas e inconsistentes e depende do neurologista a escolha mais adequada para cada caso.

Dra. Vanessa Maia da Costa

Neurologista ING

CRMGO 7589