Estamos vivendo um período em que a insegurança é um sentimento comum. As dificuldades em se manter isolado da sociedade e outras mudanças recentes na rotina são capazes de gerar estresses que afetam mente e corpo. A ansiedade, o estresse e a depressão têm o poder de desencadear sintomas e até patologias.

Tanto quem fica em casa, quanto quem tem que sair para trabalhar, sofre com o medo de contrair a Covid- 19. Não saber quanto tempo tudo isso vai durar e a preocupação quanto às reservas financeiras causam desespero e angústias que martelam na cabeça e podem gerar consequências físicas como dores de cabeça.

Algumas alterações no estilo de vida nesse período podem ajudar a reduzir a frequência de dores de cabeça leves e mesmo de enxaqueca. Elas incluem:

Dormir tempo suficiente, sendo o ideal um sono de 8h por dia (sono noturno);

Reduzir a exposição ao estresse, evitando discussões desnecessárias;

Beber muita água, pelo menos 2 litros ao dia, afinal nossa cabeça também precisa estar hidratada;

Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, o consumo excessivo de pimenta, temperos, cafeína, bem como frutas ricas em Vitamina C (laranja, abacaxi e kiwi)  e melancia – que  podem desencadear uma crise;

Praticar exercício físico de forma regular, mesmo em casa;

Utilizar técnicas de controle do estresse como meditação, pilates e yoga;

Fazer pausas regulares das telas de computador e do trabalho.

Considere procurar tratamento adicional se as alterações acima não proporcionarem alívio das dores ou a frequência da enxaqueca. O tratamento concentra-se em evitar gatilhos, controlar sintomas e tomar remédios indicados pelo médico neurologista. A automedicação  pode  não só piorar a frequência e a intensidade das crises como sinalizar maior risco da condição consumir a qualidade de vida.