Esta infecção respiratória que iniciou na China em dezembro do ano passado é causada por um vírus da família de coronavirus. Estes vírus possuem RNA, tem vários membros e mais frequentemente estão em outras espécies animais, embora no homem algumas espécies causam infecções respiratórias como o resfriado comum ou bronquite que, no geral, são quadros leves.

Outros coronavirus que também habitam diferentes espécies animais, podem acometer o homem ao sofrerem alguma mutação/adaptação após ingestão/contatos. Recentemente aconteceram surtos de doenças respiratórias graves (SARS e MERS); no Oriente Médio ainda acontecem esporadicamente, com cepas oriundas primitivamente do morcego e camelos. Estes quadros tiveram taxas de mortalidades mais preocupantes, notadamente em idosos e portadores de comorbidades, inclusive com transmissão de pessoas a pessoas, mesmo em jovens saudáveis e profissionais da saúde.

As observações até agora sugerem um período de incubação de até 14 dias (média 8 dias) entre a exposição a um doente e o surgimento dos primeiros sintomas respiratórios. No início os sintomas parecem de uma gripe comum (coriza, febre e tosse), mas o novo coronavírus pode causar uma doença respiratória grave.

Já existem testes moleculares de execução rápida para confirmação diagnóstica. É muito importante os serviços de saúde identificarem/suspeitarem de um caso e adotarem rapidamente as precauções padrões de saúde (contatos) para evitar a transmissão do vírus.

Ainda não temos uma terapêutica específica ou mesmo uma vacina, embora alguns   medicamentos  anti-retrovirais estejam sendo testados.

Dr. Luiz Antônio Zanini

Infectologista do ING

CREMEGO – 1726