As metástases ou Tumores Secundários, para o SNC são os TI mais frequentes, e cada vez mais têm aumentado a sua incidência. De 10 a 15% dos pacientes com câncer vão acabar apresentando metástase no SNC por 2 motivos mais relevantes. Primeiramente, o aumento na sobrevida dos pacientes com câncer, principalmente pelas novas tecnologias de tratamento, sejam novas técnicas na cirurgia e na radioterapia, a terapia sistêmica com emprego de quimioterápicos, a imunoterapia e a terapia alvo. O segundo motivo é a presença de uma barreira natural que protege o cérebro, a barreira hematoencefálica, que impede que a passagem de componentes do sangue para o interior do tecido cerebral. Se por um lado essa barreira nos protege, por outro ela impede que os medicamentos cheguem a nível terapêutico eficaz no tecido cerebral, o que facilita o desenvolvimento dos tumores dentro do SNC. Das neoplasias sistêmicas no nosso meio, as que mais causam metástases cerebrais são os tumores de pulmão, de mama, o melanoma, do trato gastrointestinal e dos rins.

 

Até 200.000 novos casos de TIs são diagnosticados por ano nos EUA, para uma população de 320.000.000 de habitantes. Desses, cerca de 160.000 casos são de tumores secundários, ou seja, de metástases, e 40.000 tumores primários. Embora não tenhamos um estudo estatístico fidedigno, podemos extrapolar que teríamos aqui no estado de Goiás, que tem uma população de 6,7 milhões de habitantes, cerca de 4,3 mil novos casos por ano.

 

Dr. Vladimir Arruda Zaccariotti, neurocirurgião do Instituto de Neurologia de Goiânia CRM-GO 6557