Frequentemente os serviços de emergência domiciliar, como SAMU e Unimed e principalmente as unidades emergenciais hospitalares, são solicitados para atender pacientes com crises de  perda da consciência, conhecidas como síncopes ou desmaios. São perdas transitórias da consciência, em decorrência da falta de oxigenação cerebral, caracterizadas por início súbito, curta duração com recuperação total e espontânea.

Muitas são as causas de síncope, algumas graves, com risco potencial de consequências sérias, como as de origens cardíaca ou neurológica; outras não tanto, como as conhecidas síncopes vasovagais ou por hipotensão postural.

As síncopes cardíacas podem ser decorrentes de arritmias complexas, como taquicardia ventricular sustentada ou, mais frequentemente, bloqueio elétrico cardíaco total, com potencial ameaça à vida.

O tratamento de sincopes cardíacas mais sérias, pode ser realizado com drogas antiarrítmicas, cardioversão elétrica ou eventualmente, quando se trata de bloqueio elétrico átrio ventricular total, implante de marcapasso cardíaco. Também quando a síncope é de origem cardíaca, esta pode traduzir doença do miocárdio ou estreitamento importante de válvulas como estenose da valva aórtica.

Outra causa grave de síncope é a embolia pulmonar, situação clínica caracterizada pela migração de coágulos de veias dos membros inferiores para os pulmões, impedindo a troca de oxigenação neste órgão. Este fenômeno impede a oxigenação cerebral, levando o paciente a um quadro clínico idêntico, também conhecido como síncope central.

Estas são consideradas situações clínicas graves que justificam internação hospitalar, muitas vezes em terapia intensiva, para tratamentos específicos das causas.

Também, com alto potencial de gravidade e necessidade absoluta de internação hospitalar, temos as sincopes de origem neurológica as quais merecem especial atenção pela possibilidade de serem causadas por  acidente vascular cerebral ou crises epilépticas, entre outras.

Felizmente os episódios de sincopes mais frequentes, embora não menos assustadores para a família, ocorrem em pessoas jovens ou em meia idade, sem traduzir doenças em órgãos nobres, como coração e cérebro, por isso, são consideradas sincopes benignas, como a vasovagal, por desidratação ou mesmo anemia. Estes quadros clínicos, aparentemente dramáticos, muito frequentemente podem ser elucidados na própria unidade de emergência, permitindo liberação do paciente  para tratamento domiciliar, com orientação adequada e preventiva de novos episódios.

Como toda medicina moderna, o objetivo fundamental de atendimento emergencial não visa apenas tratar os sintomas e sim identificar suas respectivas causas, para conduta médica definitiva.

Portanto o atendimento médico responsável e de qualidade é fundamental para elucidar e conduzir corretamente os pacientes, preservando a vida.

Dr. Alberto Las Casas

Cardiologista do ING/Angiocardis

CREMEGO 1376