Para o diagnóstico de trombose das veias cerebrais e dos seios venosos, a tomografia computadorizada (TC) do crânio é, em geral, o primeiro exame de imagem solicitado, ainda no atendimento de emergência. Este método de imagem pode demonstrar, em alguns casos, o aumento da densidade dos seios venosos trombosados, bem como uma falha de enchimento no interior dos mesmos no estudo com contraste, o que se denomina “sinal do delta vazio”.

A TC é menos sensível para o diagnóstico de trombose das veias corticais. Deve-se enfatizar que na maioria dos casos de trombose venosa cerebral (TVC), os achados da TC são inespecíficos e, em 30% dos pacientes com TVC, a TC do crânio é normal no início dos sintomas.

A avaliação por ressonância magnética (RM) do crânio associado a angio-ressonância venosa cerebral é considerada atualmente o estudo padrão para o diagnóstico de TVC, sendo fundamental para o diagnóstico precoce. A RM é um exame de diagnóstico por imagem que fornece informações do cérebro e dos vasos arteriais e venosos do cérebro em alta definição, utilizando um campo magnético potente, sem o uso de radiação ionizante. Não exige preparo prévio e tem duração de 30 minutos, sendo as vezes necessário utilizar contraste paramagnético endovenoso para melhor definição da doença.

Através das sequências convencionais de RM do crânio, é possível a visualização dos trombos venosos, que apresentam alteração do sinal, dependendo do tempo de evolução da doença. A angio-ressonância venosa permite demonstrar tanto a ausência de fluxo como falhas de enchimento nas veias corticais e seios venosos trombosados. A utilização do contraste paramagnético é de suma importância para a confirmação desta entidade.

As imagens da RM do crânio são de muita importância, pois permite demonstrar as possíveis alterações no parênquima encefálico secundárias à trombose, como edema, infarto e hemorragia cerebral. Estas alterações podem causar aumento da pressão intracraniana, levando a herniação do tecido cerebral com suas graves consequências.

A RM e a angio-ressonância são ideais para o acompanhamento destes pacientes, permitindo confirmar a recanalização dos vasos e seios durais trombosados.

O prognóstico está diretamente relacionado a precocidade do diagnóstico, sendo favorável na maioria dos casos diagnosticados nas fases iniciais dos sintomas. A precisão e a rapidez no diagnóstico permitem a instituição do tratamento precoce, reduzindo o índice de complicações e mortalidade relacionada a doença.

                                        Dra Fernanda Rampos Carneiro, radiologista