INFLAMAÇÕES  DO SISTEMA  NERVOSO CENTRAL

O sistema nervoso central  localiza-se dentro do crânio e da coluna vertebral. A parte superior constitui o encéfalo que tem 3 componentes,  o cérebro, o cerebelo e o tronco cerebral. A parte que fica dentro do canal vertebral  é a medula espinal.

Encefalite significa inflamação do encéfalo e mielite é  quando inflama a medula espinal. Pode acontecer tudo ao mesmo tempo  o que se denomina encefalomielite.

O sistema nervoso central é recoberto por membranas chamadas meninges e são 3 : duramater  a  mais externa , a piamater e a aracnóide  ( estas 2 juntas são chamadas de leptopmeninges). A inflamação da leptomeninge chama-se meningite.

ENCEFALITES

As encefalites mais comuns são as de causa infecciosa e podem também ser provocadas por outras etiologias  como  as que  ocorrem dias após uma infecção ( pós-infecciosa), raramente após vacinas ( pós-vacinais) ou ser de origem autoimune.

Vamos nos ater aqui às encefalites infecciosas que na maioria é provocada por vírus.

Destes agentes virais, 70% das vezes é o vírus herpes simples. No passado havia muitos casos de encefalite por virus da raiva mas felizmente a vacinação promoveu um controle satisfatório e hoje são raros os casos desta doença. Virus de caxumba e sarampo também são controlados pelas vacinas. A influenza raramente  provoca encefalite. Os portadores de imunodeficiência adquirida pelo vírus HIV são muito vulneráveis, inclusive a agentes que não afetam pessoas com imunidade normal.

As viroses emergentes que estão surgindo recentemente podem provocar encefalites mas felizmente não tem muita preferência pelo sistema nervoso central ( dengue, chikungunia, zika).

O quadro clínico da encefalite  é variável dependendo da gravidade porque às vezes o comprometimento do encéfalo é parcial ou localizado. Um caso típico se manifesta com alteração de consciência (sonolência, torpor e até coma), alterações da cognição (alterações da atenção, confusão, desorientação, amnésia, mudança de comportamento como agitação ou apatia), dificuldade para falar, convulsões. Geralmente é um quadro agudo com cefaleia e febre instalando em horas ou poucos dias. Pode ocorrer em qualquer idade sem preferência por sexo ou raça.

O diagnóstico é suspeitado por um quadro clínico como este descrito e confirmado por exames complementares como os laboratoriais com estudo virológico, ressonância magnética,  EEG e exame do líquor  ( “ líquido da espinha” ).

Alguns dados podem orientar o médico na descoberta do tipo de vírus como a estação do ano, dados geográficos, viagens recentes com possibilidade de exposição, contato com animais, saúde de familiares, contato com pessoas doentes, casos de encefalite na região e também fatos relacionados aos hábitos e estado de saúde da pessoa ( incluindo histórico de vacinações).