A epilepsia é uma doença antiga, conhecida desde os tempos antes de Cristo, descrita pela primeira vez na Mesopotâmia, entre 1067 e 1046 a.C. Surgida em uma era em que o conhecimento científico não era tão desenvolvido, esteve sujeita a variadas crenças e interpretações.  Acreditava-se no passado que a pessoa com epilepsia estaria sendo ‘possuída por espíritos do mal’ ou que estava ligada a práticas de feitiçaria.

Devido à falta de informações e a interpretações místicas e religiosas errôneas, a epilepsia sofreu ao longo dos anos estigmas e distorções, e consequentemente, as pessoas que sofriam deste transtorno por muito tempo foram discriminadas. Apesar de todo o conhecimento científico acumulado pela medicina moderna, de todas as novas terapias e intervenções atuais, ainda existem muito mitos acerca da Epilepsia.

O Instituto de Neurologia de Goiânia, como um dos maiores centros de tratamento de epilepsia do Brasil, acredita em sua missão de acolher e conscientizar as pessoas acerca desta patologia. No mês da Epilepsia, trazemos aqui alguns mitos e verdades sobre a doença.

A EPILEPSIA É UMA DOENÇA MENTAL OU DO ESPÍRITO: MITO

A epilepsia é uma doença neurológica, relacionada a descargas elétricas anormais no cérebro. Possui causas, sintomas e tratamentos específicos.

PACIENTES COM EPILEPSIA TEM DIFICULDADES MENTAIS: MITO

A maioria dos pacientes tem inteligência e vida normais.

EPILEPSIA É CONTAGIOSA E A SALIVA É A FONTE DE CONTAMINAÇÃO: MITO

A epilepsia não é uma doença contagiosa.

DURANTE A CRISE, DEVO EVITAR QUE A PESSOA ENROLE OU ENGULA SUA PRÓPRIA LÍNGUA: MITO

Não se deve, em hipótese alguma, introduzir a mão ou objetos dentro da boca dos pacientes durante uma crise. Pode existir uma queda da língua durante as crises, mas o paciente não irá engolir ou se engasgar com sua própria língua. Esta medida pode ser perigosa e machucar tanto paciente quanto quem tenta socorrê-lo. A atitude mais correta é virar o paciente de lado, deixar a saliva escorrer, amparar sua cabeça (com a mão ou com uma superfície macia, como um travesseiro, almofada, etc.), desabotoar botões ou a gravata que podem estar apertando seu pescoço e aguardar que a crise passe.

TODA CONVULSÃO SIGNIFICA EPILEPSIA: MITO

Nem toda convulsão permite o diagnóstico da doença epilepsia. É preciso que haja repetição (mais de uma crise epiléptica) entre um período maior do que 24 horas, além de obedecer a determinados critérios. Toda pessoa com convulsão deve ser avaliada por um médico, em especial o médico neurologista.

PESSOAS COM EPILEPSIA PODEM DIRIGIR: VERDADE

A epilepsia bem controlada permite uma vida normal, incluindo dirigir, caso já se esteja há pelo menos 1 ano totalmente sem crises.

EPILEPSIA TEM TRATAMENTO E CURA. PESSOAS COM EPILEPSIA PODEM TER VIDA NORMAL: VERDADE

A epilepsia pode ser tratada e bem controlada com medicamentos. Após 10 anos sem crises e sem uso de medicações anticonvulsivantes nos últimos 5 anos, pode se dizer que a epilepsia está ‘resolvida’ ou curada.

Além da possibilidade de alcançar a cura da epilepsia através do tratamento com medicações, outra alternativa é a cirurgia de epilepsia, a qual é reservada para casos de crises de difícil controle, que não respondem as medicações. Dispomos em nosso serviço dessa modalidade de tratamento e adquirimos uma vasta experiência a ao longo dos anos, com grande número de pacientes operados e a maioria deles livre de epilepsia.

Por Dra. Louise Lobo Lopes, neurologista ING.

CRM 20.079 / RQE 12.785