Ao decidir por um procedimento neurocirúrgico dois princípios básicos devem considerados: primeiro, tratar a lesão que motivou a cirurgia o mais eficaz possível e, segundo, evitar ou minimizar o dano neurológico decorrente do procedimento.

Com este objetivo , a neuronavegação é um recurso tecnológico , dentre muitos outros, disponíveis atualmente no Instituto de Neurologia de Goiânia, sendo usado rotineiramente nos procedimentos neurocirúrgicos mais complexos onde a localização precisa está indicada.

A Neuronavegação é o procedimento e o aparelho chamado de neuronavegador.

Trata-se de um software, em que os dados da Tomografia ou Ressonância magnética são processados no computador e transmitidos uma tela acoplada a um sistema de sensores em suportes colocados perto da cabeça do paciente. A informação é captada por uma espécie caneta receptora que o cirurgião move na superfície da cabeça. Em tempo real ,o cirurgião visualiza na tela onde está a lesão que vai operar e qual melhor abordagem para remove-la , permitindo assim minimizar o dano cerebral.

As lesões localizadas nas estruturas profundas do cérebro, base do crânio e até mesmo cirurgias da coluna são as principais indicações do uso do neuronavegador.

Dr. Valter Costa